terça-feira, 25 de outubro de 2016

Malala, a garota que defendeu o direito à educação e foi baleada pelo Talibã

Nove de outubro de 2012. Um ônibus, estudantes e um Colt 45. Dessa estranha e quase mortal relação surge uma protagonista: Malala, a garota que foi baleada pelo Talibã.[1] Os acontecimentos desse dia passaram a definir a garota que defende o direito à educação, como o próprio título do livro que narra os acontecimentos sugere: Eu sou Malala – a história da garota que defendeu o direito à educação e foi baleada pelo Talibã.
A obra, lançada em 2013, um pouco mais de um ano após o atentado, tem como objetivo não contar o que aconteceu, algo que o mundo inteiro acompanhou, estupefato, mas contar a trajetória que culminou no atentado que feriu três meninas, sendo Malala de forma mais grave.
O livro, de vinte e quatro capítulos divididos em cinco partes, narrado em primeira pessoa (Malala), faz uma descrição minuciosa da vida cotidiana com a família, com as amigas, com detalhes de momentos e de sensações, o que faz com que o leitor sinta-se inserido no ambiente dela, contribuindo para apreender a situação a partir dos seus sentidos e compreensão. Assim, o leitor é convidado a conviver na região pobre, mas com belas paisagens, a adentrar à casa onde nasce Malala, cujo momento é descrito quase com um sentimento de predestinação, uma vez que seu nome é uma referência a Malalai de Maiwand, maior heroína do Afeganistão, que inspirou o seu exército a derrotar o britânico na Segunda Guerra Anglo-Afegã, em 1880. Malalai foi morta, mas sua coragem ao marchar no campo, diante das tropas, inspirou os homens a virar a batalha. “Malalai é a Joana D’Arc do pachtuns[2]” (LAMB; YOUSAFZAI, 2013: 23). Esperava-se que uma nova Malalai ressurgisse. Surgiu Malala.
Seguindo a estratégia de convidar o leitor a se inserir no contexto de experiências de Malala, um aspecto fundamental apresentado, além da descrição da paisagem e da vivência cotidiana das pessoas, perpassando pelas suas conquistas e dificuldades, é a descrição minuciosa da importância e o respeito que o seu povo tem pela tradição e pela religião. Contudo, a família de Malala é apresentada como sendo diferente do que se costuma presenciar no Vale do Swat, sobretudo no tratamento dado às mulheres. Sua família é peculiar: saudaram o nascimento de uma menina no “lugar onde rifles são disparados em comemoração a um filho, ao passo que as filhas são escondidas atrás de cortinas, sendo seu papel na vida apenas fazer comida e procriar” (LAMB; YOUSAFZAI, 2013: 21). Seu pai, dono de escola e defensor do direito à educação das meninas, sempre incentivava Malala a estudar e a se manifestar. Após o atentado, ao receber um prêmio por ela, diz: “No meu lado do mundo a maior parte das pessoas é conhecida pelos filhos que têm. Sou um dos poucos pais sortudos conhecidos pela filha que têm”. (LAMB; YOUSAFZAI, 2013: 320)
Em meio às descrições de paisagens, existem referências à história do Afeganistão que se entrelaça com a história de vida de seu pai e de sua família. Seu pai, desde jovem, foi um ativista em prol da educação, defendendo o direito de as meninas também irem à escola. Inclusive, no livro há frequentemente a revelação do medo que tanto Malala quanto sua mãe sentiam por imaginar que o Talibã atacaria seu pai. Malala nunca imaginou que ela seria um alvo, pois o pensamento era de que o Talibã não atacava crianças.
Outro aspecto importante apresentado no livro é o da religião. Malala é islâmica, faz suas orações diárias pedindo paz, educação e para ser mais alta. Esse é outro elemento que possibilita a proximidade com o leitor. Ela é uma adolescente. Adolescentes rezam por coisas “simples” que, para eles, não são tão simples assim. Porém, apesar, de ser jovem, a imagem que dela é apresentada, é de uma jovem por demais sensata e consciente das deficiências de seu país e pronta para apresentar críticas, sobretudo ao Talibã, mas não somente. Ela faz críticas ao governo afegão e também aos Estados Unidos que, desde a invasão soviética, instigam a “guerra santa”, através dos livros escolares que ensinavam a aritmética com a utilização de linguagem de guerra: “se 10 russos são infiéis, 5 são mortos por 1 muçulmano, restam 5” (LAMB; YOUSAFZAI, 2013: 41).
Outra crítica perpetrada a este país relaciona-se com sua ação na busca, prisão e morte de Osama bin Laden que, escondido no Paquistão foi capturado pela força militar estado-unidense, sem qualquer auxílio do exército paquistanês, fato que contribuiu também para aumentar as críticas ao governo do Paquistão que não foi suficientemente capaz de solucionar esse problema.
Sem dúvida alguma, a ação de Osama bin Laden e os acontecimentos de onze de setembro de 2001 contribuíram para uma avassaladora mudança nas vidas dos paquistaneses. Por um lado, alguns religiosos viram Bin Laden como um herói. Era possível comprar pôsteres e caixas de doces com sua imagem. Diante disso, aproximadamente 12 mil jovens foram lutar pelo Talibã no Afeganistão. As pessoas se juntaram a ele por acharem que teriam uma vida melhor. Os trabalhadores manuais não tinham reconhecimento e se juntaram ao Talibã para obter status e poder. O Talibã foi, portanto, a tábua de salvação para muitos.
Nesse contexto, as madrasas[3] atraíram muitos jovens, por meio de anúncios de treinamento para a luta, para a jihad[4]. Os pachtuns muito religiosos estavam furiosos com a invasão americana no Afeganistão. As madrasas também acolheram os órfãos do terremoto de 2005. Elas são como

uma espécie de previdência, pois dão comida e alojamento, mas o ensino que ministram não segue o currículo normal. Os meninos aprendem o Corão pela repetição, balançando o corpo para a frente e para trás enquanto recitam. Aprendem também que não há coisas como ciência ou literatura, que dinossauros nunca existiram e que o homem jamais foi à Lua. (LAMB; YOUSAFZAI, 2013: 117).

Por outro lado, o Talibã representou o ponto final na vida de tantos outros. Havia toque de recolher; houve a destruição de 400 escolas somente em 2008; havia A Praça Sangrenta, em que corpos amanheciam na praça para serem observados, como um aviso. Houve a necessidade de 1/3 da população do vale do Swat, onde Malala vivia, se retirar, passarem a viver como PDIS, pessoas deslocadas internamente. Houve o atentado. Houve necessidade de buscar melhores condições médicas em Birminghan, Inglaterra, onde mora atualmente com sua família.
Ainda no hospital recebeu milhares de cartões, presentes, visitas e apoios de pessoas ilustres. Como afirma no livro, o Talibã tinha transformado sua causa em uma causa mundial, com exceção do Paquistão, de onde surgiram severas críticas a Malala, acusada de fingir o atentado para poder pedir asilo e viver em outro país.
O livro, portanto, apresenta-se como uma forma de promover o conhecimento não só da história de uma adolescente que foi atacada, mas também sobre uma região e uma religião que ainda são pouco conhecidos verdadeiramente, ao menos no Ocidente que, motivado pelos acontecimentos de onze de setembro de 2001, está impregnado de preconceito em relação ao Oriente e, sobretudo, à religião islâmica.
A trajetória da ascensão do Talibã no Afeganistão é feita minuciosamente, coerente com a proposta de inserir o leitor no contexto, de modo a fazê-lo compreender tanto a “lógica” do Talibã quanto a experiência dos afegãos diante da ineficácia do governo em combatê-lo. Assim, o leitor, sobretudo ocidental, uma vez que há inúmeras referências à sua cultura, como as leituras – de Tolstoi a Paulo Coelho -  e o cinema – o filme Crepúsculo –, é convidado a visualizar a possibilidade de uma conexão com o Oriente.
Além disso, o mais interessante é o fato de, além de contar a história de Malala, o livro oferece algumas informações sobre o Islã, ainda muito incompreendido pelo Ocidente. A partir da história de Malala é possível fazer uma distinção entre a religião islâmica e como um determinado grupo se utilizou dessa religião para atender a propósitos particulares. Há, portanto, uma tentativa de restabelecer o Islã, que não deve ser confundido com o Talibã. “Nós pachtuns, somos um povo religioso e amoroso. Por causa do Talibã, o mundo todo anda dizendo que somos terroristas”. (LAMB; YOUSAFZAI, 2013: 151). Ademais, é muito interessante reconhecer uma menina, uma adolescente que tem suas convicções como mulher, cidadã e que essas convicções não entram em conflito com a religião que, inclusive, contribui para as suas manifestações e reivindicações.



[1] Originário de Talib, que significa estudante da religião, posteriormente o significado passou a ser membro do grupo Talibã.
[2] Grupo étnico de algumas regiões do Paquistão e Afeganistão.
[3] Escola de instrução islâmica.
[4] Guerra Santa ou conflito interno.







Nenhum comentário:

Postar um comentário